Aula 1 Modelo Assistencial em Saúde
Tópico 02 O que é um modelo?



Os debates em torno da ideia de modelo são antigos. Provavelmente já estavam no cerne da discussão de Platão com os sofistas.

Reflexão

Qual a melhor referência para orientar nossas ações ou nosso aprendizado? Os relatos de sucessos em assuntos correlatos ao que estamos tentando fazer ou aprender, como queriam os poetas e os sofistas, ou apreender os modelos, as essências ou as formas inteligíveis dos objetos com os quais estamos trabalhando?

Sofistas (Clique aqui para abrir)

A crescente demanda por uma educação mais apurada na Grécia, por volta do século V a.C., fez surgir uma classe de mestres da cultura intitulados "Sofistas".

Eram mais uma classe profissional do que uma escola propriamente dita e, como tal, se espalharam pela Grécia promovendo muita rivalidade profissional e intelectual. Essa demanda educacional era, de fato, devido à busca de um conhecimento genuíno, mas refletia, com maior propriedade, um desejo por um aprendizado espúrio que levaria ao sucesso político.


Os sofistas andavam pela Grécia, de cidade em cidade, fazendo discursos, formando discípulos e participando de debates. Por seus serviços os sofistas cobravam altas taxas e foram, na verdade, os primeiros gregos a cobrarem dinheiro para transmitir seus conhecimentos.

Os sofistas não eram, falando em termos técnicos, filósofos, mas ensinavam tudo aquilo que se lhes demandasse. Eram tópicos variados como retórica, política, gramática, etimologia, história, física e matemática. Logo alcançaram o status de mestres da virtude no sentido de que ensinavam as pessoas a desempenharem seus papéis dentro do Estado.

Protágoras de Abdera, nascido, aproximadamente, em 480 a.C. é considerado como o primeiro Sofista. Outros que se destacaram foram Górgias de Leontini, Pródico de Ceos e Hípias de Elis. Onde quer que eles aparecessem, especialmente em Atenas, eram recebidos com entusiasmo e muitos se ajuntavam para ouvi-los. Até mesmo pessoas como Péricles, Eurípides e Sócrates desfrutavam de sua companhia.

Clique aqui para fechar

Objetos ideais - objetos reais


A construção teórica de objetos de conhecimento, os objetos ideais, que tinham como inspiração a matemática e a geometria, e que Platão queria estender a todos os campos do saber humano, não permitiam prescindir dos objetos reais ou dos fatos concretos. Contudo, supunha que a utilização desses modelos como referência para nosso aprendizado e nossas ações seria mais efetiva que as imagens oferecidas pelos poetas ou contadores de histórias.


Assim como os quadrados, cubos, círculos, esferas e outras figuras geométricas, funcionam como modelos ou referências de cálculo para a confecção de ferramentas, casas etc. modelos similares, segundo Platão, também poderiam ser utilizados para se pensar a cidade, o comportamento humano, etc.



Seguindo seu raciocínio, uma cidade ideal seria a melhor referência para orientar nossas ações do que as cidades existentes com suas imperfeições, contradições e problemas. A partir das diferenças constatadas entre uma cidade ideal e uma cidade real um governante ou gestor poderia gerar um programa de trabalho no sentido de aproximar a cidade concreta da cidade ideal. Dito de outra forma, a diferença entre o ideal e o real corresponde ao que deve ser feito.




Esse debate de Platão tem continuidade com seu discípulo Aristóteles, segundo o qual a doutrina das ideias não poderia ser estendida a todos os campos do conhecimento e da ação. Para Aristóteles, existiam fatos ou situações que eram singulares e por isso não eram passíveis de ser universalizados ou enquadrados em modelos. Além do mais acreditava que...





“[...] não se deve querer a mesma precisão em todos os raciocínios (mas) [...] buscar a precisão, em cada gênero de coisas, apenas até o ponto que a natureza do assunto permite do mesmo modo que é insensato aceitar um raciocínio apenas provável da parte de um matemático, e exigir demonstrações científicas de um retórico.”
Dessa forma, enquanto em sua República Platão vai construir uma cidade ideal, que todos deveríamos ter como referência para agir em nossas próprias cidades, Aristóteles vai propor que nos inspiremos em cidades concretas e conhecidas, bem governadas, onde a vida é boa, para orientar nossas ações frente a um problema a resolver.

Para as leis ou a constituição de nossa cidade, enquanto Platão vai sugerir que ela devesse seguir um modelo racional e inteligível, Aristóteles vai propor que nos inspiremos nas melhores constituições existentes, para adequar ou construir a nossa própria constituição.

Bem, podemos considerar que ambas são alternativas passíveis de ser utilizadas e podem ajudar, dependendo da situação em que nos encontremos.



Observação

O grande problema com os modelos teóricos é a instituição de verdades eternas ou incontestáveis. É querer transformá-los no argumento que acaba com o diálogo ou no parâmetro final, pelo qual o sistema de saúde ou o trabalho de uma equipe é avaliado. Por seu turno, inspirar-se no que está sendo feito em um determinado lugar ou para lidar com um determinado problema, pode nos deixar equivocados em função de que este problema, neste lugar determinado, se reveste de um contexto específico, que não é o mesmo no qual estamos vivendo.

Assim, adotando o procedimento de simplesmente transplantar uma experiência que obteve sucesso em um determinado contexto para outro local, corremos o risco de que esse sucesso não se repita. Porém, se considerarmos ambas as alternativas como construtos humanos, contextuais, históricos ou apenas como mais um recorte possível entre os muitos, certamente, poderão contribuir para a nossa compreensão de diferentes situações e orientar nossas ações.

Leitura Complementar

Como ponto de partida você deve ler o texto que discute o conceito de modelo assistencial em saúde (Clique aqui para abrir).


Para refletir...

Estas questões estão postas também para que os gestores reflitam em relação à organização dos sistemas de saúde, e para as Equipes de Saúde na organização do seu processo de trabalho. Dessa forma, qual a melhor alternativa ser buscada? Basear-se em modelos e fórmulas idealizadas, ou inspirar-se em sistemas e equipes já existentes e que mostram bom desempenho? Em qual dessas alternativas você incluiria a concepção do SUS?


Multimídia

Para aprofundar seu conhecimento sobre o modelo assistencial implantado no Brasil, consulte os vídeos (Clique em cada cena para visualizar) e conheça a história do SUS. Cena 1 Cena 2 Cena 3 Cena 4 Cena 5 Cena 6 Cena 7 Cena 8